7 músicas de motociclistas para mergulhar no universo das motos

​Você já deve ter percebido que o universo das motos é cada vez mais surpreendente e que conhecer novos lugares pode aumentar a qualidade de vida, não é mesmo? Porém, quais músicas de motociclistas são ideais para cair na estrada com estilo?

Sem mais delongas, você vai conferir neste artigo o que há de melhor para imergir nesse mundo de duas rodas e juntar ótimas experiências. A seguir, confira 7 músicas que devem entrar na sua playlist!

1. Born to be wild — Steppenwolf 

Nada melhor do que começar a nossa playlist de músicas de motociclistas com o hino entre os fãs: o clássico “Born to be wild” da banda Steppenwolf. Qualquer viagem de moto que fizer precisa ter essa música de fundo; afinal, você terá ainda mais empolgação para pegar a estrada em busca de aventura e mostrar que nasceu para ser selvagem.

2. Midnight Rider — Allman Brothers Band
Essa música celebra a liberdade em duas rodas e conta a história do cavaleiro da meia-noite, um fora da lei que só tem a estrada como destino certo na vida. A curiosidade da canção é a própria relação da banda com o motociclismo em si, pois dois dos seus integrantes se envolveram em acidentes fatais; portanto, nada de agir com imprudência, negligência ou imperícia por aí, viu?

3. Free Bird — Lynyrd Skynyrd
Ao se aventurar por roteiros incríveis, jamais deixe de ouvir esse outro grande clássico do rock’n’roll e se sentir realmente como um pássaro livre. A música começa com uma pegada mais tranquila para mergulhar na história, mas depois você ouvirá alguns minutos de solos inesquecíveis em três guitarras, o que deixará sua viagem ainda mais eletrizante.

4. Smoke on the water — Deep Purple
Se você visitar um moto clube do Brasil, por exemplo, provavelmente ouvirá Deep Purple em algum momento da sua jornada, pois é uma das bandas percussoras do Heavy metal e a galera que é fã das duas rodas simplesmente adora. A música “Smoke on the water” tem ótimos arranjos, dando uma sensação fantástica de autonomia e de querer desbravar as estadas sem medo de ser feliz.

5. Born to Run — Bruce Springsteen
A música que alavancou a carreira de Bruce Springsteen é outro grande clássico das estradas, visto que mexe com as emoções e a vontade imensa de se divertir pelas ruas e rodovias. Sendo assim, calibre os pneus, injete o combustível e escute essa música, pois ela tem um ritmo envolvente que deixará você confortável para mostrar que nasceu para correr.

6. The Tropper — Iron Maiden
Com um ritmo empolgante e com trechos que se assemelham ao ronco do motor da moto, você se sentirá a bordo de uma máquina e tanto para ter muitas histórias para contar por aí. Embora os versos não tenham a ver com a temática das motocicletas, a música envolve de tal maneira que dá até a impressão que está em um game, correndo em alta velocidade.

7. Highway to Hell — AC/DC
Por fim, não poderíamos deixar de citar uma das músicas mais emblemáticas do rock’n’roll e que muitos motociclistas simplesmente veneram: “Highway to Hell” do AC/DC. Então nada mais proveitoso do que testar a potência da sua moto e ouvir um clássico que enaltece a liberdade sem qualquer imposição social.


Para finalizarmos, independentemente se vai curtir essa playlist de músicas de motociclistas para ir ao trabalho, estudar ou sair sem rumo pela estrada em busca de boas histórias, preze sempre pela sua segurança e aproveite ao máximo; afinal, pilotar uma moto traz uma sensação indescritível.


Esta lista de músicas de motociclistas está sensacional, não é verdade? Então, que tal mostrá-la para os seus amigos? Compartilhe o post em suas redes sociais para que eles possam interagir com o assunto e até indicarem outros sons!

03/13/2019

Confira os principais lançamentos da linha de motos Honda 2019

​Líder no Brasil quando se trata de duas rodas, a Honda apresentou, no mês de outubro, o que vem por ai no próximo ano. Ela revelou um pacote com nove novidades. Os lançamentos Honda 2019 vão causar rebuliço, pois tem gosto para todos os bolsos.

O consumidor terá opções que vão desde lançamentos inéditos da marca, passando por renovação de séries já consolidadas, até chegar em modelos de edição especial. Continue lendo para ver o que vem por ai!

A força Honda
No mercado nacional há bastante tempo, a marca japonesa vem crescendo a cada ano no país. Isso se dá por fatores como confiança e acessibilidade. Com modelos que vão desde a simplicidade até a robustez que agrada aos pilotos, a Honda conta com mais de 1100 pontos de vendas por todo Brasil.

Por se fazer presente por todo país, isso faz com que o cliente tenha certeza de sempre achar ajuda qualificada quando necessário.

E, independentemente de onde esteja, poder fazer uma revisão em uma autorizada, garantido a manutenção nível Honda. É desse jeito que a empresa se mantém firme na liderança de vendas de moto no país, sempre com a confiança dos consumidores!

Os lançamentos Honda 2019
Foram quatro novas motos lançadas pela Honda e cinco atualizações. Confira a lista:

CB 1000 R (nova geração);
GL 1800 Gold Wing (nova geração);
SH 300i (nova versão);
Elite 125 (novidade);
CRF 250F (novidade).
PCX (renovada);
XRE 300 (renovada);
POP 110i (renovada);
CG 160 Titan (série especial);
CB 1000 R
Esse é um modelo retrô que vem atraindo muita gente por causa da modernidade e da potência que ele tem, chegando a 145 cavalos. A tecnologia vem para ajudar, trazendo três modos de pilotagem, acelerador eletrônico e controle de tração.

GL 1800 Gold Wing
A moto mais cara da montadora, a Gold Wing vem para o país em sua nova geração com duas versões, a normal e a Tour (mais completa). Ela conta com um motor potente de 6 cilindros opostos, atingindo 126 cavalos de potência.

Conta também com sistema de som, multimídia e navegação, ré, além de assistente de rampa. Já na versão Tour, o diferencial são as maletas, suspensão traseira, que tem ajuste eletrônico, e airbag.

SH 300i
A scooter SH 300i ganhou uma versão sport, trazendo uma pintura perolizada com aplicações em preto no escudo frontal. Ela mantém os freios ABS e a chave smart key.

Elite 125
Modelo de entrada da scooter, a Elite 125 conta com freios CBS, painel digital e iluminação frontal em LED. Isso tudo garante mais segurança e conforto aos usuários.

CRF 250F
Uma das novidades é a moto do segmento off-road. Produzida no país e exportada para os Estados Unidos durante anos, esse é um segmento que cresceu no Brasil e a Honda é marca garantida nos campeonatos de motocross e rally.

Esse é um projeto inédito, segundo a fabricante, com suspensão, chassi e freios totalmente novos, garantindo um novo visual.

PCX
A líder das scooters no Brasil, a PCX, enfim, ganhou sua versão mais moderna — em todas as versões. Conjunto ótico em LED, painel digital e freios ABS (opcional). Ainda, conta com atualização da suspensão traseira, além de novos amortecedores, dando mais comodidade ao motociclista.

XRE 300
O modelo completará 10 anos no mercado nacional no próximo ano. E, como novidade, ele vem com iluminação LED e com um sistema de freio ABS, dando mais segurança ao usuário. Além disso, ficou mais 5,4 kg mais leve.

POP 110i
É o produto mais barato da marca e vem ganhando mercado, principalmente nos grandes centros, por ser econômica. A nova versão ganhou freios CBS, que distribuem a frenagem, garantindo mais segurança ao motociclista.

CG 160 Titan
Em comemoração aos 25 anos da linha Titan, a Honda lançou a edição SE, que tem uma produção limitada de 8 mil unidades e vem com uma “bandeirinha” com o número 25 na carenagem.

Esses são os lançamentos Honda 2019 que vão desembarcar no Brasil. Tem moto para todos os gostos e bolsos. Gostou de alguma dessas novidades ou ainda tem alguma dúvida? Então, entre em contato conosco!

03/13/2019

Depreciação de veículos: veja como ocorre e o peso na hora da compra

​Tem dúvidas sobre o que é depreciação de veículos? Então, vejamos um exemplo: um carro 0 km, na concessionária, custa R$ 60 mil. Assim que você comprá-lo e retirá-lo da loja, nesse exato momento, ele já perdeu valor. Ou seja, a depreciação ou desvalorização é a redução da vida útil do bem durável.

Isso acontece também com imóveis, máquinas e equipamentos utilizados na produção industrial e com a maioria dos bens de uma empresa.

Por isso, neste post vamos explicar o que significa a depreciação de veículos, para que serve, como é calculada e como esse quesito influencia o preço do veículo. Acompanhe a leitura e confira!

A depreciação de veículos na revenda
A desvalorização é de aproximadamente 20% do valor de um veículo zero quilômetro no seu primeiro ano, sendo que essa taxa reduz progressivamente nos anos seguintes.

Contudo, os valores podem ser individualizados por conta do modelo, das condições de conservação e da origem do veículo.

Os fatores que contribuem para a depreciação de veículos

Esse procedimento depende de diversos fatores. À medida que o veículo envelhece, os critérios para mensurar a depreciação também se alteram.

O que importa é a condição de conservação, como a quilometragem, o número de proprietários e até mesmo onde foi emplacado pela primeira vez. Listamos a seguir os principais fatores. Confira!

Tempo de fabricação do veículo
O valor do veículo é fixado pelo tempo e pelo ano de fabricação. O último aspecto é o que o mercado considera na hora de avaliar seu automóvel. No entanto, é aconselhável avaliar os dois critérios.

Quilômetros rodados
A quilometragem também deve ser considerada. A partir de 60 mil km rodados, é necessário dar mais atenção às peças do veículo. Além disso, os gastos são maiores com manutenção, tanto na aquisição de peças como na contratação dos serviços e da mão de obra.

Histórico de acidentes
Consultar o histórico é uma garantia para o carro usado. De posse do número do Certificado de Segurança Veicular (CSV), consulte no Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN) da sua cidade a situação do veículo que pretende comprar.

Faça também um exame a olho nu nas condições da lataria e do motor. Procure por sinais que indiquem que houve alguma ocorrência.

Verifique também se o veículo passou por inundações: procure por sinais de terra no piso, nos bancos e nas portas e observe se sente algum mau cheiro em seu interior.

Tecnologia ultrapassada
Um automóvel mais antigo é mais difícil de vender. Atualmente, é exigido que o carro tenha alguns itens, por exemplo:

ar-condicionado;
vidros elétricos;
4 portas;
direção hidráulica;
sistema ABS para os freios;
câmbio automático.
Para compreender como a depreciação de veículos afeta o preço de um veículo, olhe o valor médio de mercado, compare! Esse dado é facilmente encontrado em sites especializados em vendas de veículos e também na tabela da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE).

Ela é aplicada como base de preço dos seguros e estima o valor médio de determinado veículo considerando todas as suas características.

O cálculo da depreciação de um veículo
A depreciação é calculada a partir da diferença entre o preço do carro zero e o valor de venda.

Quer um exemplo? Imagine um carro com 5 anos de uso — divida por 5 o valor do carro zero, o resultado você divide por 12 (meses do ano). O resultado dessa operação é o valor que seu veículo se desvaloriza a cada mês, que começa quando ele saiu da concessionária.

Essas avaliações e valores são apenas critérios e não podem ser utilizados como lei,​​​​ pois dependendo das condições do veículo, ele é mais ou menos valorizado.

Contudo, quando o assunto é 2 rodas, a fabricante Honda, respeitada pela confiabilidade e custo-benefício de seus produtos, mostrou os menores índices de depreciação entre os fabricantes de motocicletas.

Os modelos se destacam pelo baixo índice de desvalorização, consequência de um conjunto de competências, como ampla rede de concessionárias, manutenção fácil e econômica, disponibilidade de peças e credibilidade dos seus modelos junto ao consumidor.

Agora que você já sabe como a depreciação de veículos é uma questão importante, acesse o nosso site para conhecer nossas motos e condições de pagamento!

03/13/2019

O que é a lei dos consórcios e o que ela abrange?

​Quando escolhemos investir nosso dinheiro ou adquirir um bem — como uma moto —, a segurança da operação financeira vem sempre em primeiro lugar. Por isso, é importante estar sempre atento aos detalhes jurídicos que cercam as aplicações. Neste post, vamos conhecer a Lei dos Consórcios e a sua abrangência.

Com a lei específica, direitos e deveres dos consorciados e das administradoras foram devidamente regularizados, garantindo proteção jurídica para as partes envolvidas. Preparamos um artigo com informações importantes sobre o assunto. Confira!

O que é a Lei dos Consórcios?
A Lei n.º 11.795, de 2008, conhecida como Lei dos Consórcios, entrou em vigor em fevereiro de 2009. Os consórcios surgiram na década de 1960, mas a promulgação esclareceu todos os mecanismos atrelados aos consórcios.

A nova legislação foi decisiva para consolidar um modelo facilitado de acesso ao crédito — ainda hoje funciona como um forte incentivo à economia do país como um todo. É importante notar que os consórcios se notabilizaram pela compra de veículos, mas as possibilidades incluem a aquisição de imóveis, eletroeletrônicos e outros bens.

Com qual objetivo a lei foi criada?
A lei, subordinada ao Código de Defesa do Consumidor, foi estabelecida com a intenção de assegurar estabilidade e segurança jurídica tanto para empresas como para os consorciados.

Proporciona, ainda, clareza para que ambas as partes entendam e cumpram as regras de funcionamento dos consórcios.

Quais são os principais pontos?
Desde que a lei entrou em vigor, todo o sistema se tornou benéfico para os consumidores, possibilitando a aquisição tanto dos bens como dos serviços de que o usuário necessita. A Lei dos Consórcios oferece algumas vantagens importantes.

Vamos conhecê-las.

Benefícios na quitação de financiamento
O consórcio é bem menos oneroso que o financiamento bancário, já que não há cobrança de juros, e as taxas de administração são significativamente mais baixas que os valores relativos aos juros dos financiamentos.

O titular do consórcio economiza um valor considerável se utilizar a carta de crédito para quitar financiamentos bancários contraídos.

Facilidade para obter crédito
A lei garantiu o acesso facilitado a ampla quantidade de bens e serviços. Com isso, o acesso ao crédito foi facilitado, já que a aquisição de uma cota de consórcio é um processo relativamente simples.

Basta comparar o procedimento de aquisição de uma cota de consórcio com a negociação para um empréstimo bancário, bem mais complicada.

Transparência
A lei inclui um importante mecanismo de segurança, reforçando os direitos do consorciado e da administradora. Três representantes de cada grupo são selecionados para acompanhar toda a movimentação da conta daquele conjunto de pessoas.

A legislação determina, também, que cada grupo conte com patrimônio próprio e desvinculado da administradora, o que possibilita maior nível de proteção para os participantes.

Para funcionar inteiramente dentro da legalidade, o consórcio deve ser administrado por pessoa jurídica que tenha sido designada para a atividade. Além disso, a administradora do consórcio precisa receber a autorização de funcionamento do Banco Central — que também se encarrega da fiscalização dessa empresa.

Como vimos no artigo, a lei surgiu como importante mecanismo para estabelecer normas e diretrizes para a devida regulação dos consórcios em nosso país.

Com a promulgação, a lei dos consórcios forneceu um nível maior de transparência e vantagens para consorciados e prestadores de serviços, garantindo segurança jurídica para ambas as partes.

Você gostou do post e quer ter acesso a outros conteúdos como este? Então, assine a nossa newsletter e receba os nossos artigos diretamente na sua caixa de e-mail!

03/13/2019